"Os métodos de fermentação são muitos e variados; ela é praticada em todos os continentes, de milhares de formas diferentes. (...) verá como é simples aproveitar os poderes nutritivos e curativos dos alimentos e bebidas fermentados." Sandor Ellix Katz
Quem Nunca Morreu de Amor
EDUARDO SÁ
Quem Nunca Morreu de Amor

Quem Nunca Morreu de Amor

EDUARDO SÁ

Há amores que nos matam aos poucos quando sentimos mais saudades que esperança.

Eduardo Sá avisa, logo no início: cuidado com o que se procura num livro de amor. Porque arriscamo-nos a encontrar, no espelho das páginas, a nossa própria história, as relações que tivemos, os homens ou as mulheres que amámos (e que ainda hoje nos visitam, quando à noite se aninham nos lençóis da memória). Nas histórias dos outros, que Eduardo testemunha e observa, revemo-nos sempre. Os nossos amuos, as dúvidas, os medos, a esperança. Guiados por ele, trilhamos novamente o caminho tantas vezes percorrido; mas descobrimos que afinal havia ali um cruzamento que nos tinha passado despercebido (onde poderíamos ter mudado de direção), ou uma ponte que decidimos ignorar (quando era tão fácil atravessá-la).
Descobrimos também, por entre textos onde o amor é sempre posto a nu, uma outra história que emerge de mansinho, em quadros pontuais. Conhecemos João Anacleto, homem resignado à vida, e a bela e livre Esmeralda, que o destino lhe devolve passados 30 anos. Vemos como uma corrente de bicicleta, ao partir-se, os volta a unir. Ou talvez não.
Porque o João e a Esmeralda somos também nós, às vezes tão dados a equívocos, tão presos a bravatas e orgulhos que nos esquecemos de ver o essencial. E o essencial, ao contrário do que pensamos, não é invisível. Vê-se no olhar de quem nos vê o coração.
partilhar  
Anexos
Trailer
Notícias
Eventos
Hoje Não Vou à Escola!
EDUARDO SÁ
Adolescentes - Manual de Instruções - eBook
EDUARDO SÁ
Más Maneiras de Sermos Bons Pais
EDUARDO SÁ
Livro de Reclamações das Crianças
EDUARDO SÁ